O que é Louvor?

 

Para quem viveu nas décadas de 80 e 90, Louvor era um grupo de música gospel que tinha músicas revolucionárias para a época, mas não é disso que estou falando…

De onde vem essa expressão “Louvor” que por tantas vezes é citada na Bíblia?

Segundo o dicionário:
louvor
substantivo masculino
1. ato ou efeito de louvar(-se).
2. celebração ou manifestação honrosa; homenagem, louvação.

louvar
verbo
1. transitivo direto e pronominal
enaltecer (alguém ou a si próprio) com palavras; dirigir louvores a; elogiar(-se).
2. transitivo direto e pronominal declarar(-se) digno de aprovação, aplauso; aprovar(-se).

Podemos dizer então que louvor é exaltar a ação de alguém.
Como cristãos, dedicamos nosso louvor a Deus, mas como estamos falando de música, surgem duas perguntas:
“Todo louvor a Deus é em formato de música?” e “Toda música cristã é em louvor a Deus?”
Posso dizer com certeza que a resposta para as duas perguntas é a mesma: “NÃO!”
Acredito que a primeira todo mundo acerta, mas muitos se confundem com a segunda.
O louvor é uma ação, ou consequência de uma atitude que engrandece ou presta homenagem a ação de outrem, desta forma, podemos dizer que louvar a Deus não é simplesmente chegar ao altar de um templo e cantar, ou tocar um instrumento musical. Você pode passar sua vida inteira fazendo isso sem nunca ter louvado a Deus realmente. Se em sua oração você engrandece a Deus, se em suas ações as pessoas reconhecem a Cristo e a salvação que Ele nos deu, você está louvando a Deus. Se a música que você canta, exalta aquilo que Deus fez, então você está louvando a Ele através da música.
Quanto a outra pergunta, temos que examinar sua letra, pois a verdadeira mensagem dela estará descrita ali. Podemos seguir a mesma lógica da resposta a pergunta anterior, a música exalta os feitos de Deus? Se sim, ela é um louvor, se não, ela não é um louvor.
Mas, se a música cristã não é um louvor, o que mais ela pode ser?
A resposta será dada na próxima lição.

Louvor e adoração – O que é música?

O que é música?

Tecnicamente, podemos dizer que a música é a sucessão de sons e silêncios, de forma limitada e ordenada criando padrões organizacionais chamados de melodia, harmonia e ritmo de forma a transmitir ideias e sensações.

Não se sabe quando a humanidade iniciou a utilizar este recurso, contudo acredita-se que a música seja anterior a própria fala, sendo utilizada para comunicação entre os povos mais primitivos.

Quem inventou a música?

A música foi inventada por Deus e foi um dos atributos passados ao ser humano no momento em que fomos criados a imagem e semelhança dEle.

A música é uma forma de expressão

O principal objetivo da música é transmitir uma ideia e nenhum outro método de transmissão de pensamento funciona tão bem quanto. Mesmo uma música instrumental, tem a capacidade de fazê-lo. Se escutarmos as chamadas músicas clássicas, sentiremos o que o autor quis transmitir, mesmo sem falar palavra alguma. Transcendendo limites como idiomas e cultura.

O perigo da música

Sendo um importante instrumento de transmissão e internalização de ideias, a música também pode ser usada para nos desvirtuar das coisas saudáveis, causando danos comportamentais, sociais, relacionais e etc.
Por isso, temos que ter muito cuidado com o que ouvimos para que não sejamos destruídos por isso.

Música sacra

Desde seus primóridos, a música está associada a religião, praticamente toda religião possui suas músicas para seus ritos. A música sacra na Bíblia é apresentada desde o início do povo de Israel, sendo descritos os instrumentos utilizados e por diversas vezes até mesmo suas letras estão descritas, quer um exemplo? Todo o livro dos Salmos.
O termo música sacra foi utilizado pela primeira vez na Idade Média, período em que a religião foi monopolizada, desta forma até a música havia sido institucionalizada, tornando sacro apenas os cantos gregorianos cantados em latim pelos monges católicos.
A reforma protestante também serviu para revolucionar a música cristã, pois Lutero, que era um amante da música, fazia uso dela para transmitir ensinamentos bíblicos.
Desta forma a música sacra passou a ser feita não somente para Deus mas também sobre Deus, se tornando uma incrível arma para evangelismo e ensino. Deixando de ser uma coisa exclusiva dos monges e passando para toda a comunidade cristã, adotando a alcunha de música congregacional.